DESLOCAMENTO DE MOTOS EM COMBOIO – SAURO DE COL FILHO*

 

Viajar e pegar a estrada são coisas muito boas. Melhor ainda se for com um ou mais amigos. Eu diria até que além de ser mais agradável poder dividir estes momentos com outros irmãos, pegar estrada com companhia é mais prudente e seguro.

Desde que comecei a andar de moto, eu tive a felicidade de colher pelas estradas da vida, muito mais amigos do que anteriormente. E digo mais; a qualidade das amizades superou em muito as minhas expectativas e amigos se tornaram irmãos.

As novas amizades foram tantas que os passeios começaram a ter uma adesão muito maior do que a esperada e de repente eram 50 irmãos com um mesmo destino.

Ótimo para todos, mas ai um mínimo de organização se faz necessário: estabelecer roteiro, pontos de concentração, pontos de paradas, estabelecer horários de saída, chegada e de retorno e  principalmente, saber quem cuida de quem.

Nos últimos passeios que fiz pelo interior paulista, dada ao grande número de adesões de vários irmãos, optei pelo deslocamento em comboio (de 20 até 100 motos[1]) sendo que a média de presença sempre foi superior a de 45 motos.

A formação de comboio é ideal para passeios de curta distância, não superior a 200 Km ida e 200 km volta. Coisa de 2 horas no máximo para o deslocamento descontando as paradas para esticar a perna.

Aliás e a este respeito, numa moto custom , a distância de conforto é muito próxima a 150 km para o limite de uma parada de pelo menos 15 minutos.

 

A seguir, trago algumas dicas para este tipo de deslocamento.

 

FORMAÇÃO DO COMBOIO

A formação de comboio é uma formação nos moldes internacionais para deslocamento de várias motos e possui elementos de controles de deslocamento formado por pilotos mais experiente e conhecedores do percurso. Os principais elementos são:

 

“CABEÇA DE PELOTÃO” – Profundo conhecedor do roteiro e trajeto a ser realizado. Piloto que encabeçará o comboio e que tomará as principais decisões dentro do grupo de deslocamento.

 

“ANJOS” – Pilotos intermediários que controlam o deslocamento do comboio, estando os mesmos posicionados no meio do mesmo. São responsáveis a atender qualquer solicitação de integrantes do comboio e levar ao conhecimento do “Cabeça de Pelotão” qualquer anormalidade ou necessidade durante o deslocamento.

 

“FERROLHOS” – Pilotos com a mesma função dos “Anjos” porém posicionados ao final do comboio de motos ao final do comboio.
Estes pilotos serão identificados durante a preleção.

Este pilotos , normalmente são escolhidos e apresentados durante a preleção, que é o momento anterior a partida do comboio.

 

O “CABEÇA de Pelotão”  os “ANJOS” e os “FERROLHOS” são os únicos pilotos que conduzirão suas motos em condições de ultrapassagem ou de recuo em relação ao comboio.

 

A mesma condição se aplicam aos carros de apoio.
Todos os pilotos deverão estar atentos à sinalização do “Cabeça de Pelotão” que utilizará sinalização simples e clara, a qual deverá ser repetida por cada uma dos pilotos até o final do pelotão. Veja Sinalização em deslocamento, logo abaixo.

POSICIONAMENTO E CONDUÇÃO EM COMBOIO

No deslocamento em comboio, as Motos ficam posicionadas em um único bloco formado por duas filas indianas intercaladas, ou seja, as motos não devem ficar lado a lado.

 

A distância entre motos deverá permitir que a moto à frente e a esquerda ou direita, possam entrar a sua frente sem problemas.

O comboio ocupará a primeira ou segunda pista da rodovia.

A mudança de pista só será permitida quando assinalada ou iniciada pelo “cabeça de pelotão” ou pelos “anjos” e contará com ajuda dos carros de apoio, quando estes existirem, que farão o guarda-luz para as motos.

 

A passagem livre pelos pedágios se fará em fila indiana sendo que o espaço entre motos deverá ser o de duas a quatro motos (superior a três segundos). A sinalização será dada pelo “Cabeça de Pelotão” a cerca de um quilometro do pedágio.

 

Os carros de apoio, amigos ou familiares não dotados de PASSA FÁCIL deverão ultrapassar o comboio tão logo a existência do pedágio seja assinalada na pista.
A solicitação de formação de fila indiana poderá ser solicitada independente da presença de pedágio e em razão de outras necessidades a exemplo de condução em pista simples, e será monitorada e apoiada pelos “Anjos”.
Em encontros com grupos de motos tipo ‘speed’ atenda a  toda solicitação de passagem de forma cordial.

 

O comboio não fará nenhuma parada programada na estrada utilizando-se do acostamento.
Em caso de problemas ou de avaria em alguma moto, somente a moto com problema deverá se dirigir ao acostamento.

A mesma será atendida por um dos “Anjos”, na ordem do número 1 ao número 2 , pelo mecânico e pelo carro de apoio equipado com carreta.

Somente estes três elementos do comboio  é que darão suporte ao piloto com problemas devendo o restante do comboio prosseguir normalmente até um ponto seguro para parada. O “Cabeça de Pelotão” em contato com o “Anjo” que prestará o suporte, decidira sobre a espera ou não dos retardatários.

SINALIZAÇÃO EM DESLOCAMENTO

Conheça um pouco da sinalização :

  • Parada ou emergência à frente: Mão esquerda espalmada para cima.
  • Dobrar a esquerda: Apontar para esquerda na altura do ombro – não isenta o uso do pisca.
  • Dobrar a direita: Apontar para direita por cima do capacete – não isenta o uso do pisca.
  • Retornar a frente: Apontar para cima fazendo círculos no ar.
  • Reduzir velocidade: Braço esquerdo aberto subindo e descendo (como um leve bater de asas).
  • Problemas na moto ou estou sem gasolina Indicar com o polegar da mão esquerda virado para baixo, subindo e descendo o braço.
  • Braço estendido para cima com indicador apontando para o céu: formação de fila indiana. Este sinal é muito útil em estradas de faixa simples e para a passagem livre em pedágios.
  • Braço estendido para cima com indicador e dedo médio formando um “V” apontados para o céu: Formação de fila dupla intercalada.
  • Braço esquerdo ou direito estendido para baixo com indicador apontando para o asfalto: Solicitação para que a moto de trás ocupe a posição apontada. Utilizada para poder transmitir alguma instrução ou solicitar que a moto desgarrada do bloco, ocupe aquela posição.
  • Braço esquerdo estendido para baixo com mão espalmada em movimento de abano horizontal: Solicitação para que a moto ou veículo que vem atrás faça ultrapassagem pela esquerda. Utilizada pelos anjos que se deslocam para o fim do pelotão para ver se tudo está bem.

 

MOTO DICAS

Visite : http://motoseguranca.com.br/dicas.html e veja as dicas animadas , em especial as dicas de Viajando em Grupo.

 

ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

Seja qual for o tipo de deslocamento, fique atendo para os seguintes conselhos:

 

Revisem suas motos, calibrem os pneus, verifiquem todo o sistema de freios, encham previamente o tanque, carreguem as baterias de seus celulares e câmeras fotográficas pois a paisagem sempre merecerá muitas fotos e principalmente… levem agasalhos e capas de chuva.

 

Providencie tudo isto no dia anterior para que não exista atraso.
Tentem chegar no máximo a 30 minutos da saída no ponto de concentração para poderem tomar o seu café e ouvirem atentamente as instruções dadas no local pois as mesmas sempre são muito importantes e de grande valia para a segurança e bem estar de todo o grupo.
Atente também para as seguinte orientações:

  • Respeite as leis de trânsito;
  • Fique atento a sinalização dos Anjos;
  • Respeite e atenda as orientações dos Anjos;
  • Utilize todos os equipamentos obrigatórios de segurança;
  • Mantenha o acostamento livre e ocupe apenas uma via;
  • Evite ultrapassar dentro do comboio;
  • Mantenha velocidade compatível com a do comboio evitando o surgimento de grandes espaços entre as motos;
  • Evite mudanças de posicionamento dentro do comboio

 

* Sauro De Col Filho é motociclista membro dos THEBLADERS e atuou como Coordenador do Núcleo SP dos Vbladers.

 

 

 


[1] Para deslocamentos acima de 100 motos, é prudente consultar e avisar a operadora da rodovia assim com a policia rodoviária.